16.4.05

Arte e Política – Contradições (2) - Orff

A separação entre Arte e Política é uma necessidade compreensível. Mas nalguns casos é difícil de concebe-la sem um certo sentimento de desconforto. Um desses casos é o de Carl Orff. Orff não terá sido um Nazi como foi Hans Pfitzner (ver este interessante artigo sobre Pfitzner e a sua “doença” anti-semita, ou este outro artigo no sítio da Rádio Alemã sobre o declínio da cultura musical alemã durante o terceiro Reich).

Mas tudo parece indicar que terá sido um leal colaborador do regime. A sua vida tornou-se mais desafogada durante o período Nazi graças às muitas encomendas feitas pelo governo. Segundo Michael H. Kater (o autor do livro Composers of the Nazi Era), Orff terá ganho até ao final da guerra a soma de 36.000 Marcos, gozando assim e pela primeira vez na sua vida de um certo conforto financeiro. Algumas dessas encomendas foram claros sinais políticos, tal como a encomenda de Sommernachtstraum (Sonho de uma noite de Verão) que foi feita com a intenção de substituir a obra com o mesmo nome do não-ariano Mendelssohn.

LP

2 Comments:

Blogger cocoruto said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

27 maio, 2005 01:07  
Blogger cocoruto said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

27 maio, 2005 01:08  

Enviar um comentário

<< Home