8.4.05

Peter Ablinger (2) – Fragmentos de uma Apologia


Ablinger (Áustria, 1959) é um compositor cujo trabalho sigo com interesse há já algum tempo. Com efeito, é uma das pessoas que mais contribuiu e de forma mais consequente para a reformulação da ideia de concerto - a duração da obra, o local de apresentação, o público, a formação instrumental ou electrónica. Algumas das suas obras descrevem-se melhor no âmbito de um acontecimento (uma performance musical ou teatral, uma instalação) do que no âmbito de um concerto tal como normalmente o se concebe.

De Free-Jazzer e designer gráfico a aluno de Gösta Neuwirth em Berlim, Ablinger procura afastar-se dos meios tradicionais de produção, ensino e consumo de música. Segundo Ablinger “a orquestra, o ensemble, a academia, o ensino, a tradição instrumental, a sala de concertos e a musicologia são responsáveis não só por uma opressiva historicidade da vida musical, como também por uma corrupção da nova música, ou pelo menos, por um clima de preconceitos perante todas as outras actividades músicas das quais as instituições se procuram esquivar.”

A actualidade do tema parece-me incontestável. Ainda mais numa altura em que as orquestras e as instituições em geral de todo o mundo lidam com problemas graves como a falta de público ou o sub-financiamento.

LP