13.8.05

Adorno e Mann

Ontem comemorou-se o 50° aniversário da morte de Thomas Mann. Por coincidência comprei há pouco tempo um livro com a correspondência entre Mann e Adorno entre os anos 1943 e 1955 (ano da morte de Mann). O livro trata a profícua troca de ideias sobre o Dr. Fausto. Mann gozou da companhia de Adorno e com ele se aconselhou sobre assuntos ligados ao personagem principal Adrian Leverkühn. Especialmente importante terá sido “A filosofia da nova música” na altura ainda não editado mas a cujo manuscrito Mann teve acesso. Foi também graças a Adorno que Mann conheceu a música de Alban Berg através do livro de Willi Reich para o qual Adorno contribuiu com alguns artigos. Um outro exemplo do aconselhamento de Adorno é o oitavo capítulo sobre a op. 111 de Beethoven e o seu estilo tardio (”Spätstil Beethovens”, Adorno).

Não deixa de ser interessante pensar no que teria sido o romance sem a colaboração de Adorno.